Memorial Parque da Paz | Um novo conceito de cemitério
Memorial Parque da Paz | Um novo conceito de cemitério

11


janeiro


2019

Memorial Parque da Paz | Um novo conceito de cemitério
Uma situação de perda nem sempre é algo fácil de lidar. Podemos passar por diferentes fases para saber como lidar com o sentimento de luto, mas depois que se passa um certo tempo, uma coisa muito comum que acontece com as pessoas é a continuar a amar uma pessoa que já morreu. Você já parou para se perguntar porque acontece isso? Não há uma resposta definitiva, mas existem alguns pontos sobre o sentimento que nos fazem entender melhor como o amor pode permanecer:

O amor não conhece o tempo


Tanto o sentimento de amor quanto o de tempo são coisas que a ciência ainda não é capaz de explicar totalmente. Existem indícios, mas não respostas definitivas. Mas o amor, por não se tratar de um sentimento racional e sim instintivo, não faz questão de conhecer ou encontrar o tempo. Então, nem mesmo a morte pode nos fazer parar de amar alguém, já que para o sentimento, o tempo passado se mistura com o presente e o futuro.

O amor vai além do contato


Num mundo onde é cada vez mais fácil viajar e passar longos tempos fora do país natal, estamos mais acostumados com essa característica do amor: nem a distância é capaz de quebrar o sentimento criado, seja o amor por filhos, amigos ou até um bichinho de estimação!

O amor não pede nada em troca


O amor puro é aquele que não exige muito nem de si, nem dos outros. É claro que, no nosso mundo complexo, temos a tendência de pensar que se outra pessoa nunca fez nada por você, ela não merece seu amor. Talvez ela não mereça uma amizade, mas o amor pode manifestar-se como respeito – afinal, é essencial amar ao próximo, e mesmo que a pessoa não lhe agrade por causa de comportamento ou algo do tipo, respeitá-la é uma forma de amar.
Essa característica de não pedir nada em troca é um dos motivos pelo qual continuamos a amar quem já morreu: porque não precisamos de nada mais para amá-la que não seja... o amor.

Comments