Memorial Parque da Paz | Um lugar à altura da sua história
Memorial Parque da Paz | Um lugar à altura da sua história

18


setembro


2018

Memorial Parque da Paz | Um lugar à altura da sua história
Muitas vezes a depressão está escondida atrás de um sorriso

 

    As pessoas que acham que a depressão tem “cara” estão muito enganadas. Nem sempre a vítima desta doença estampa o ar de tristeza em seu rosto. Por isso, a patologia é mais grave do que parece. Afinal, se não conseguimos identificar quando uma pessoa está com depressão, como podemos ajudá-la?

 

Como eu identifico a depressão?

     Segundo o site “Fala Freud”, estes são os principais sintomas de depressão que podem ajudar a identificar a doença:

- Pouco interesse (até mesmo coisas que antes eram consideradas interessantes para aquela pessoa);

- Sentimento de vazio e/ou desesperança;

- Choro sem motivo aparente;

- Frequentes explosões de raiva, irritabilidade ou frustração, mesmo por motivos pequenos;

- Cansaço frequente e falta de energia;

- Sentimentos de inutilidade e/ou culpa;

- Problemas para concentrar-se ou lembrar de alguma coisa;

- Alteração no apetite;

- Ganho ou perda de peso;

- Pensamentos frequentes de morte ou suicídio.

 



 

O que não fazer?

     A sensação de impotência pode surgir para quem não sabe como dar apoio à um amigo ou parente com depressão. Segundo o CVV, Centro de Valorização da Vida, muitos recorrem à cobrança, quase sempre travestida de sentimentos de incentivo: “vamos lá, você precisa reagir!”; “é preciso força de vontade!”. O problema é que, apesar das melhores intenções presentes, acaba-se alimentando a culpa de quem já está desanimado e sem forças para lutar.

 

     Segundo o psiquiatra, Neury Botega, essas são as três principais coisas que não devemos fazer:

1 - Infantilizar a pessoa, tratando-a como criança;

2 - Cobrar por melhorias;

3 - Desistir de ajudar.

 

    Temos o péssimo hábito de menosprezar e desvalorizar o problema do próximo, como se não fosse importante. Nunca podemos fazer isso, principalmente com uma vítima de depressão. “A delicadeza do problema de saúde faz com que se pense que o melhor é deixar para lá, quieto, como se tudo se resolvesse em um passe de mágica com o tempo. Mas é justamente aí que mora o perigo”, diz Botega.

 



 

O que fazer?

    Agora que sabemos o que não devemos fazer, vamos aprender como podemos agir para ajudar as vítimas:

1 - Doar seu tempo e qualidade estando ao lado da pessoa;

2 - Demonstrar otimismo (mas sem cobranças);

3 - Incentivar com delicadeza pequenas ações;

4 - Apresentar as qualidades que esta pessoa tem;

5 - Lembre que esta pessoa é amada e merecedora de amor;

6 - Não force a pessoa a participar de terapias. E seja delicado ao falar de depressão com ela, assim como o tema também é;

7 - Conscientizar sobre a seriedade das doenças mentais e seus tratamentos;

8 - Cuide de sua própria saúde mental, pois você precisa estar bem para poder ajudar o próximo!

 

    Agora que sabemos que a depressão pode estar escondida atrás de um sorriso, vamos ter mais cautela e sensibilidade na hora de ajudar algum amigo que está sofrendo.

 

#SetembroAmarelo #TodosPelaVida 💛


 

*Para conversar com alguém, disque 188 (Telefone da CVV - Centro de Valorização da Vida)

Comments